Notícias

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

O colesterol pode contribuir para a dificuldade de ter filho. De acordo com estudo dos Institutos Nacionais de Saúde, dos Estados Unidos, existe relação entre o colesterol alto e a dificuldade de os casais conseguirem engravidar.

No estudo, publicado no periódico científico da Sociedade Americana de Endocrinologia, uma equipe de pesquisadores analisou 501 casais, deste total, 347 ficaram grávidos no período de 12 meses. Ao comparar os índices de colesterol dos participantes notou-se relação entre os casais em que um ou ambos tinham colesterol alto e a dificuldade para ter filho.

"Além de aumentar o risco de doença cardiovascular, nossos resultados sugerem que o colesterol pode contribuir para a infertilidade", disse um dos autores do estudo, Enrique F. Schisterman dos Institutos Nacionais de Saúde. Ele afirma que aqueles que apresentam dificuldades para terem filhos deveriam checar o colesterol para se assegurarem que estão em níveis aceitáveis.

O colesterol é uma substância semelhante à gordura encontrado em todas as células do corpo. Cerca de um terço dos adultos americanos - 71 milhões - têm níveis elevados de lipoproteína de baixa densidade, o LDL, também chamado de colesterol ruim. Apenas um em cada três adultos com LDL elevado tem a condição sob controle.

Os pesquisadores mediram o colesterol de todos os casais a partir de amostras de sangue colhidas no início do estudo. Em vez de medir o colesterol LDL e outros subtipos, os investigadores mediram as quantidades totais e livres de colesterol no sangue. Segundo os resultados, os casais em que um ou ambos os parceiros tinham colesterol elevado levou muito mais tempo para engravidar.

"Nosso estudo também encontrou casais em que a mulher tinha o colesterol elevado e o homem não, eles também levaram mais tempo para engravidar do que casais em que ambos os parceiros tinham níveis de colesterol dentro dos limites normais", disse Schisterman.

Data: 27/05/2014
Fonte: saude.ig.com.br

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

O governador Geraldo Alckmin assinou nesta quinta-feira (22) convênio para a abertura de uma ‘filial’ do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo Octavio Frias de Oliveira na cidade de Osasco, região metropolitana da Grande São Paulo. A nova unidade integrará a Rede Hebe Camargo de Combate ao Câncer do governo paulista.

Com o mesmo modelo humanizado de atendimento do Icesp, o novo hospital atenderá mensalmente quatro mil pacientes por mês de sete municípios da região. O convênio será uma parceria da Secretaria de Estado da Saúde com a Fundação Faculdade de Medicina, que irá gerir o “Icesp 2”, em Osasco, a exemplo da unidade da capital paulista.

Foram investidos mais de R$ 12,9 milhões, pelo governo do Estado, para obras e aquisição de equipamentos. Quando estiver funcionando em plena capacidade, a nova unidade receberá R$ 3,5 milhões por mês de custeio do tesouro estadual.

Atualmente, 11% dos 36 mil pacientes atendidos por mês no Icesp são dos sete municípios da Rota dos Bandeirantes, que contempla as cidades de Barueri, Carapicuíba, Itapevi, Jandira, Osasco, Pirapora do Bom Jesus e Santana de Parnaíba. Com a nova unidade, esses pacientes não precisarão mais se deslocar até a cidade de São Paulo para se submeterem a uma série de procedimentos.

A nova unidade será responsável por praticamente todo o atendimento oncológico dos pacientes. Apenas os casos mais complexos, como cirurgias, continuarão sendo encaminhados à capital paulista. O Icesp Osasco contará com três equipamentos de radioterapia e 12 poltronas de quimioterapia, além de consultas ambulatoriais.

A nova unidade será implantada em quatro etapas. A primeira será entregue no inicio de agosto, com a ala quimioterápica e consultas médicas. A previsão é até o final do próximo ano o Icesp Osasco esteja em pleno funcionamento.

Segundo o diretor geral do Icesp, Paulo Hoff, "a unidade do Instituto do Câncer em Osasco representa um grande avanço na saúde dos nossos pacientes oncológicos, que evitarão o deslocamento até São Paulo e também receberão um atendimento humanizado e de qualidade”.

Para David Uip, secretário de Estado da Saúde de São Paulo, "o Icesp Osasco é um exemplo de atendimento de alta complexidade absolutamente regionalizado, próximo de onde as pessoas residem, que o governo vem trabalhando para implantar em todo o Estado de São Paulo”.

Data: 22/05/2014
Fonte: R7.com

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Os maiores culpados pelo envelhecimento (principalmente o precoce) são os maus hábitos. Aqueles que cometemos no dia-a-dia e, em meio à atribulada rotina, nem nos damos conta. Estresse, poucas horas de sono, falta de hidratação, sedentarismo e alimentação desequilibrada são apenas alguns dos hábitos de vida prejudiciais à saúde e, consequentemente, à possibilidade de viver mais e melhor.

Alguns especialistas estimam que a longevidade se deve em cerca de 75% aos hábitos e apenas em 25% aos genes. Estudos conduzidos pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca) mostram que atitudes como fumar, consumir baixa quantidade de frutas, legumes e verduras, ingerir álcool e não realizar atividade física regular influenciam diretamente no adoecimento da população.

O médico Amilton Macedo afirma, porém, que nunca é tarde para começar a mudar esse quadro. O importante é ter disciplina e disposição para modificar o comportamento.

— Embora o envelhecimento seja um processo biológico, ele pode ser controlado. Um estilo de vida saudável é uma das chaves da longevidade e está mais do que provado que a adoção desses hábitos, seja em qual for o período da vida, diminui os efeitos negativos da vida moderna— assegura Macedo.

Segundo ele, para conquistar a longevidade, no entanto, é preciso alterar a ideia que se tem da saúde marcada pela procura de assistência quando as doenças já estão instaladas.

Os maus hábitos podem até ser difíceis de largar, mas que tal tentar? Veja cinco segredos para quem quer se preparar para um envelhecimento ativo e bem sucedido:

Beba água gelada!

Que é importante beber, pelo menos, dois litros (seis copos a oito copos) de água por dia, todo mundo sabe. Mas você sabia que o melhor é dar preferência ao consumo água gelada? Ela aumenta o metabolismo, pois o organismo precisa gastar energia para igualar a temperatura da água com a do corpo.

Inspire e expire lentamente

Provavelmente você pouco presta atenção à respiração, mas saiba que respirar de maneira errada pode causar sérios problemas à saúde em geral. O ciclo incorreto da inspiração-expiração do ar altera todo o metabolismo da pessoa, fazendo com que os órgãos fiquem em déficit, o que pode causar aumento da pressão arterial, dor torácica, sobrepeso e obesidade.

Sono dos justos

Estudos sugerem que a falta de sono crônica pode ter um impacto negativo nas funções metabólicas e endócrinas. Quando se dorme menos de cinco horas, há um desequilíbrio no metabolismo.

— O efeito de uma madrugada em claro é semelhante ao de uma embriaguez leve: a coordenação motora é prejudicada e a capacidade de raciocínio fica comprometida, ou seja, sem o merecido descanso o organismo deixa de cumprir uma série de tarefas importantíssimas— esclarece o médico.

Carne vermelha com moderação

Pesquisa sobre hábitos alimentares em dez países europeus concluiu que o consumo diário de carne vermelha aumenta o risco de câncer de intestino em até 35%. Contudo, não a evite. Proteínas são essenciais, principalmente para quem faz atividade física regularmente, não só porque dão resistência, mas também porque ajudam a tornear os músculos. Controlando a quantidade e escolhendo o tipo mais saudável, além de não prejudicar a saúde, a carne vermelha ainda oferece nutrientes essenciais ao organismo.

Mova-se!

Muitas pessoas se queixam da falta de tempo para praticar exercícios físicos. Mas especialistas garantem que essa “desculpa” não é mais justificativa para descuidar da saúde. Pequenas mudanças de hábito, como abrir mão do controle remoto da televisão, preferir as escadas aos elevadores, organizar horários e até mesmo atividades do cotidiano, como lavar o carro ou passear com o cachorro, podem contribuir na hora de sair do sedentarismo, incentivam à prática de exercícios e ajudam na busca por uma melhor qualidade de vida.

— O sedentarismo, por si só, aumenta o risco de doença coronariana em, pelo menos, uma vez e meia. Já os exercícios diários moderados ajudam a aumentar o tempo de vida em até seis anos— adverte Amilton Macedo.

Data: 21/05/2014
Fonte: www.zh.clicrbs.com.br

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

A gordura trans, encontrada em alimentos industrializados, teve origem no início do século passado para substituir a gordura animal, dar mais sabor, conservar por mais tempo e melhorar o visual dos alimentos. Estudos recentes comprovam que o excesso desse tipo de gordura é o mais prejudicial à saúde. O que é então a gordura trans e quais os riscos de seu consumo?

Ela é composta por ácidos graxos insaturados. Um óleo encontrado na natureza, por exemplo, possui os átomos distribuídos em posição paralela. No entanto, quando é submetido ao tratamento industrial de hidrogenação, a estrutura química do óleo é modificada, fazendo com que os ácidos graxos fiquem com os átomos em alinhamento transversal - que fazem parte da confecção da gordura trans.

A quantidade de gordura trans que deve estar presente na alimentação é um grande debate. Apesar de ser prejudicial, a Organização Mundial de Saúde (OMS) indica um consumo mínimo de 1% das calorias diárias. Alguns produtos podem possuir até quatro gramas por porção, o que elevaria em cinco vezes o consumo diário recomendado pela OMS. De uma maneira geral, no entanto, a grande indústria já se conscientizou sobre os problemas deste excesso, reduziu e vem reduzindo cada vez mais as quantidades de gordura trans presentes em seus alimentos, tirando do mercado, inclusive, os produtos que a possuíam em excesso.

Se pensarmos em um adulto que deve consumir 30% de gorduras por dia, de acordo com a ingestão diária recomendada, devemos considerar que 1% dessa quantidade virá da gordura trans, o que corresponde ao consumo de 0,8 gramas da substância por dia. Já uma criança, que possui uma recomendação de ingestão diária menor do que a de um adulto teria de ingerir no máximo 0,6 gramas de gordura trans.

A consequência deste alto consumo pode ser o aumento dos níveis de colesterol ruim, o LDL, e a diminuição do colesterol bom, HDL, elevando o risco de aterosclerose, infarto e acidente vascular cerebral. Mas o mais importante é que as pessoas reflitam sobre o que comer e quando comer. Um prato de arroz, feijão e bife pode ter a mesma quantidade de proteínas e vitaminas que um hambúrguer, por exemplo. O problema está, na realidade, na quantidade de maionese, ketchup e mostarda utilizada. A escolha e a reflexão sobre o consumo adequado e consciente destes e de qualquer alimento é a chave para uma alimentação correta e balanceada.

Gordura trans escondida

Uma pesquisa realizada pela Universidade Federal de Santa Catarina listou 23 ingredientes que podem conter a gordura trans. Confira:

-Gordura de soja parcialmente hidrogenada
-Gordura hidrogenada
-Gordura hidrogenada de soja
-Gordura parcialmente hidrogenada
-Gordura parcialmente hidrogenada e/ou interesterificada
-Gordura vegetal hidrogenada
-Gordura vegetal parcialmente hidrogenada
-Hidrogenada
-Margarina vegetal hidrogenada
-Óleo de milho hidrogenado
-Óleo vegetal de algodão, soja e palma hidrogenado
-Óleo vegetal hidrogenado
-Óleo vegetal líquido e hidrogenado
-Óleo vegetal parcialmente hidrogenado
-Creme vegetal
-Composto lácteo com gordura vegetal (2º ingrediente gordura vegetal)
-Gordura
-Gordura vegetal
-Gordura vegetal de girassol
-Gordura vegetal de soja
-Margarina
-Margarina vegetal
-Mistura láctea para bebidas (3º ingrediente gordura vegetal)

Data: 20/05/2014
Fonte: www.minhavida.com.br

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

É comum ouvir na imprensa que devemos tomar pelo menos dois litros de água por dia.

Esse mito já foi derrubado em vários estudos, que mostraram que precisamos ingerir dois litros de líquidos, mas não necessariamente de água - há muita água nos alimentos.

De acordo com o Guia Alimentar da População Brasileira, a quantidade de água que precisamos ingerir diariamente é variável, dependendo de fatores como a idade e o peso da pessoa, a atividade física que ela realiza e o clima e a temperatura do ambiente onde ela vive.

Para algumas pessoas, a ingestão de dois litros de água por dia pode ser suficiente, outras precisarão de três ou quatro litros ou mesmo mais, como no caso dos esportistas.

A recomendação do Guia com relação à quantidade de água que devemos ingerir é extremamente simples: a quantidade que o organismo pedir.

Água nos alimentos
Já ingerirmos água quando consumimos alimentos e preparações culinárias.

Por exemplo, a maioria das verduras e legumes cozidos ou na forma de saladas têm mais do que 90% do seu peso em água. A maioria das frutas contém entre 80% e 90% de água, assim como o leite e a maioria das sopas.

Após o cozimento, macarrão, batata ou mandioca têm cerca de 70% de água. Um prato de feijão com arroz é constituído de dois terços de água e preparações à base de carne têm em geral mais de metade do seu peso em água.

O guia ressalta que refrigerantes e vários tipos de bebidas adoçadas possuem alta proporção de água, no entanto, não são opções saudáveis, pois são repletos de açúcar e vários aditivos, razão pela qual não podem ser considerados fontes adequadas para hidratação.

Data: 15/05/2014
Fonte: www.diariodasaude.com.br

©2018 Posenato Laboratório Clínico

Procurar