Notícias

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
As reações anormais a alimentos se classificam em tóxicas ou não tóxicas. As reações tóxicas se dividem por sua vez em reações alérgicas imunes e reações alérgicas não imunes. Estas últimas são as que se conhecem como intolerâncias alimentares e podem ser o resultado de déficit enzimático (por exemplo, de lactose) ou da presença de substâncias químicas ou de aditivos nos alimentos.
As reações alérgicas imunes são processos imunológicos complexos, que podem ser mediados tanto por anticorpos imunoglobulinas E (IgE) como por imunoglobulinas G (IgG) específicas, frente aos antígenos (proteínas) dos alimentos. As reações mediadas por IgE são as alergias alimentares propriamente ditas, enquanto que as mediadas por IgG são conhecidas como hipersensibilidades alimentares (popularmente conhecidas como intolerâncias alimentares).

Entre 20 e 35% da população apresenta efeitos derivados de uma hipersensibilidade alimentar.

Alergia e hipersensibilidade alimentar
As características e diferenças dos dois tipos de reações alérgicas imunes aos alimentos são:
Alergia alimentar: Se trata de uma reação imune aguda e rápida mediada por anticorpos IgE, com uma clara relação causa-efeito. A clínica pode ser generalizada e/ou localizada e pode chegar a ser muito grave (por exemplo, choque anafilático).

Hipersensibilidade alimentar: Se trata de uma reação imune lenta, mediada por anticorpos IgG, sem uma clara relação causa efeito. A clínica é muito diversa, moderada e de tipo crônico, o que dificulta seu diagnóstico. O trato gastrointestinal contém a maior superfície de tecido imune do nosso organismo, portanto é factível apresentar uma reação imune de hipersensibilidade aos alimentos mais ingeridos, em função da saúde do trato gastrointestinal e do sistema imune.

Exame A200
O exame A200 consiste na determinação de anticorpos IgG no soro frente a mais de 200 proteínas de alimentos da dieta mediterrânea. O exame se realiza por tecnologia microarray, que possibilita realizar as determinações em duplicata, resultando em reprodutibilidade da análise. É um teste direto de quantificação de IgGs específicas e, portanto, mais objetivo que outros testes que verificam a modificação na forma dos leucócitos ou realizam análises por bioressonância.

A eliminação da dieta dos alimentos com hipersensibilidade (níveis anormais de IgG) proporciona uma notável melhoria em um alto porcentual de pacientes. Assim o exame A200 é uma opção importante a ter em conta frente a qualquer destas manifestações clínicas sem diagnóstico.


Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
As infecções sexualmente transmissíveis (IST) são um grave problema de saúde pública, incluindo infecções por Chlamidia, Gonorréia, Herpes, Hepatites, HIV, HPV, Sífilis, Tricomoníase, entre outras. Dentre as IST mais comuns, as manifestações clínicas são caracterizadas por corrimentos, feridas e bolhas ou verrugas, principalmente na região genital, porém, em muitos casos, não há qualquer sintoma evidente até que a doença já esteja em estágios mais avançados. A transmissão das IST se dá principalmente por contato sexual, sem o uso de preservativo, com uma pessoa que esteja infectada. Também podem ser transmitidas da mãe para o bebê, durante a gestação, ou no momento do parto normal, além do compartilhamento de seringas e agulhas durante o uso de drogas injetáveis ou ainda por transfusão de sangue contaminado.

Painel para Infecções Sexualmente Transmissíveis – DSTPC Diagnóstico Laboratorial

Como as IST são geralmente assintomáticas e, quando apresentam sintomas, estes não são específicos, torna-se difícil o correto diagnóstico clínico. Neste contexto, a pesquisa de diversos patógenos para diagnóstico diferencial e correta conduta terapêutica é essencial, sendo que, as técnicas de Biologia Molecular têm se mostrado com alta sensibilidade e especificidade sendo recomendadas pelos principais órgãos de saúde internacionais, como o CDC (Centers for Disease Control and Prevetion).

O teste DSTPC - DST - DETECÇÃO POR PCR MULTIPLEX, disponibilizado pelo Posenato, é um exame capaz de detectar, de uma única vez, seis diferentes patógenos causadores de IST, além de utilizar um alvo adicional como controle interno da reação, garantindo a alta qualidade dos resultados obtidos, visando o diagnóstico preciso e ágil, de grande importância e relevância clinico-laboratorial.

Os patógenos analisados neste teste são:
  • Chlamydia trachomatis;
  • Neisseria gonorrhoeae;
  • Mycoplasma genitalium;
  • Trichomonas vaginalis;
  • Mycoplasma hominis;
  • Ureaplasma urealyticum/parvum



  • Avaliação do Usuário

    Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
    Trombofilia é a propensão de desenvolver trombose devido a anomalias no sistema de coagulação. As bases genéticas das trombofilias incluem mutações em diferentes genes que codificam para fatores hemostáticos, podendo ocorrer isoladamente ou combinadas.
    As trombofilias são consideradas uma das causas de perdas gestacionais e respondem por aproximadamente 50 a 65% dos abortos de repetição (AR) de etiologia indefinida. A maioria dos estudos apoia a hipótese de um risco superior conferido pela presença de certos polimorfismos em mulheres com AR, além disso, o uso de contraceptivos orais (ACO) está associado a um aumento de três vezes na incidência de TEV. <>br Vale ressaltar que os homens também podem ser afetados pelas trombofilias.
    O Posenato disponibiliza um grupo de exames voltados para investigação do risco de tromboses, converse com seu médico sobre a necessidade da realização desses exames.

    Avaliação do Usuário

    Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

    No Brasil, existem cerca de 582 mil pessoas cegas e 6 milhões com baixa visão, de acordo com os dados do Censo 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A alimentação atua na proteção e prevenção de doenças relacionadas à visão.

    Principalmente, quando se trata a degeneração macular relacionada à idade (DMRI) – que pode levar à perda da visão em pessoas com mais de 65 anos. “Os alimentos ricos em vitamina A são grandes aliados, pois reduzem os riscos de agravar a doença – na forma de fotoproteção da mácula da retina do olho”, destaca a nutricionista do Hospital Nossa Senhora das Graças, Sueleen Rodrigues.

    Uma dieta rica em frutas, verduras e legumes de pigmentação amarela e verde costuma ser fontes ricas de carotenoides, substâncias que previnem a deterioração da mácula – responsável por nos permitir enxergar cores.

    As frutas vermelhas e roxas são bons exemplos de alimentos antioxidantes, que combatem os radicais livres e são fontes de vitamina C e de flavonoides. “Elas auxiliam na prevenção contra a perda de visão e contra a degeneração macular e a redução dos riscos de desenvolver doenças, como o câncer de próstata”, explica a oftalmologista do Hospital Nossa Senhora das Graças, Renata Bekin.

    Os peixes como sardinha, bacalhau, salmão e atum são ótimos estimulantes da boa circulação sanguínea. “Ao ingerir esses componentes, todas as estruturas oculares – especialmente a retina – receberão bastante oxigênio, essencial para a saúde dos olhos”, destaca a médica. Esses peixes são fontes de ácidos graxos, ômega 3 e das vitaminas A, B, D e E.

    Os alimentos de cores laranja-amarelos e verde-escuros devem ser consumidos, no mínimo, três porções diárias desses vegetais. “A fim de, atingir de cinco a seis miligramas ao dia da vitamina”, orienta a nutricionista. Já a recomendação para os idosos é inserir de dois a quatro ovos na alimentação por dia, durante cinco semanas. “Assim, é possível reduzir o risco de degeneração macular”, enfatiza a médica.

    Para prevenir o Glaucoma é necessário consumir alho e a cebola – ricas fontes de cálcio, fósforo e vitaminas B e C, ambos possuem ação contra micróbios e antiviral. “Eles agem como dilatadores dos vasos sanguíneos, diminuindo a pressão arterial”, recomenta a médica.

    Segundo a Dra. Renata, o óleo de linhaça pode combater o olho seco e o azeite virgem, rico em ômega 3, é considerado um grande aliado na prevenção contra a degeneração macular, lesão que pode levar à perda irreversível da visão. “Lembrando que estes alimentos devem ser consumidos em todas as épocas do ano, não apenas no verão. Embora, seja nesta época do ano, que as pessoas mais descuidam da alimentação, colaborando para as infecções oportunistas”, ressalta a médica.

    Segue alguns exemplos de alimentos que devem ser consumidos diariamente para proteger os olhos.

    Ovos: uma unidade
    Peixes: um filé
    Mamão papaia: uma unidade
    Laranja: uma unidade
    Pêssego: uma unidade
    Caqui: uma unidade grande
    Couve: uma escumadeira
    Repolho: uma escumadeira
    Espinafre: uma escumadeira
    Brócolis cozido: uma escumadeira
    Milho: uma xícara.

    Data: 11/06/2014
    Fonte: www.blogdasaude.com.br

    Avaliação do Usuário

    Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

    Por que controlar a pressão?

    Tontura e dor de cabeça e no peito denunciam que algo não está bem. Esses sintomas podem ser sinais de que sua pressão arterial está nas alturas, acima de 14 por 9: é a temida hipertensão. Segundo o Ministério da Saúde, 24% da população sofre desse mal. E as mulheres estão passando os homens em número de casos.

    Segundo o médico patologista Marcello Fabiano de Franco, da Sociedade Brasileira de Patologia, por causa da pressão arterial fora de controle, as artérias vão se hipertrofiando e se degenerando. Com isso, há risco de arteriosclerose (quando as artérias ficam muito espessas). Resultado? Maiores chances de acidente vascular cerebral (AVC) e infarto. A hipertensão também pode levar a lesões nos rins, resultando em perda da função renal.

    A boa notícia é que simples mudanças de hábitos e muita disciplina ajudam a colocar tudo nos eixos. E servem para quem já é hipertenso e quem quer fugir desse mal. Confira a seguir 12 passos para derrubar a pressão.

    Corra ou caminhe

    Exercícios aeróbios são os mais indicados para controlar a pressão. É que, quando você está caminhando em ritmo acelerado ou correndo, obriga o coração a trabalhar mais e bombear mais sangue pelo corpo, melhorando seu condicionamento físico. Não gosta de correr nem de caminhar? Então, escolha outra atividade física. O cirurgião cardíaco Marcelo Sobral, da Beneficência Portuguesa de São Paulo, garante que o importante é evitar o sedentarismo. Só não vale ficar parada!

    Aposte no potássio

    Crie um cardápio com abacate, cenoura crua, espinafre, feijão, batata, milho, tomate, maçã, banana, melão, pêssego, ameixa e morango. "Todos esses alimentos são ricos em potássio, substância que ajuda a domar a pressão arterial", explica o médico Fabio Cardoso, especialista em medicina preventiva.

    Viva com menos estresse

    Viver longe de situações negativas é impossível. Por isso, uma das melhores formas de relaxar é fazer alguma atividade que lhe dê prazer, como artesanato. "Pode ser um passeio no parque, tomar uma taça de vinho, ir ao cinema, viajar. Permita-se ter momentos de prazer para desviar a carga de estresse", diz Sobral.

    Fique longe do sal

    O sódio é um vilão para quem sofre com pressão alta. Em excesso, ele se acumula no organismo, retém água e enche as artérias. Resultado: aumenta a pressão interna do vaso sanguíneo e a hipertensão dá as caras. Evite o sal a todo custo, pois os alimentos industrializados já possuem sódio (como esse macarrão instantâneo da foto), até mesmo as bolachas doces! Limite seu consumo a, no máximo, uma colher (chá) de sal por dia, combinado?

    Durma como bebê

    De acordo com o médico Marcelo Sobral, há estudos que mostram que pessoas que dormem oito horas por noite têm menos chances de ter hipertensão. Então, chega de ficar até tarde assistindo TV ou navegando pelas redes sociais. Vá para a cama cedo e garanta sua saúde!

    Bote peixe no prato

    Na próxima refeição e sempre que puder, escolha um peixe, como salmão, cavalinha, arenque, sardinha ou atum. Ricos em ômega 3, eles ajudam a equilibrar a pressão arterial. "Recomenda-se o consumo de três porções de peixe por semana", diz Cardoso.

    Coma laranja

    A vitamina C é outra aliada do hipertenso. Estudos mostraram que a hipertensão arterial e o derrame (ou AVC) são mais comuns entre pessoas que consomem menor quantidade dessa vitamina. Portanto, invista na laranja, limão, acerola, caju, tangerina e outras frutas e legumes ricos em vitamina C.

    Evite a sobremesa

    Nem muito sal nem muito açúcar. O segredo de uma vida saudável é a moderação. Por isso, evite, ao máximo, o consumo de açúcar, pois ele promove maior retenção de sódio no organismo, o que acaba provocando inchaço por excesso de líquidos - o grande inimigo dos hipertensos.

    Invista no chocolate amargo

    O chocolate que contém de 65% a 80% de cacau pode diminuir a pressão arterial. "O cacau tem flavonoides - antioxidantes que ajudam o organismo a produzir uma substância chamada óxido nítrico. Essa substância relaxa os vasos sanguíneos e faz com que o sangue corra melhor, diminuindo a pressão", explica Cardoso. Mas nada de exagerar! Um quadradinho de 6 g por dia já é o suficiente para conseguir esse benefício.

    Tome (um pouco de) vinho

    É verdade: uma taça de vinho tinto na hora do almoço melhora o humor e ainda ajuda a balancear a pressão. Mas sempre em quantidade moderada, claro. Acima disso, o vinho passa a ser prejudicial e a vantagem vai por água abaixo.

    Tente trabalhar menos

    Um estudo da Universidade da Califórnia mostrou que trabalhar mais de 41 horas por semana aumenta o risco de ter hipertensão em 15%. Se você tem carga horária maior do que oito horas por dia, de segunda a sexta, melhor colocar o pé no freio!

    Aprenda a relaxar

    No meio do expediente, o filho liga chorando e contando a nota baixa que tirou na prova, você se lembra do aniversário do marido no fim de semana e o chefe pede um relatório urgente. Ufa! Com tudo isso, os hormônios do estresse entram em ação e a hipertensão começa a aparecer. Muita calma nessa hora! Respire profundamente e relaxe durante cinco minutinhos. Esse tempinho é precioso para a sua saúde, pode apostar!

    Data: 09/06/2014
    Fonte: www.mdemulher.abril.com.br

    ©2018 Posenato Laboratório Clínico

    Procurar